A mente influencia o DNA – entrevista com o Dr. Bruce Lipton

 MAB (Meryl Ann Butler): O ponto de partida de seu livro, A biologia da crença é que os seres humanos não são, como se pensava anteriormente, vítimas de seus genes, mas que o ambiente tem um efeito direto em nosso DNA. Você gostaria de investigar?

BL (Bruce Lipton): Absolutamente. Até recentemente, pensava-se que os genes eram auto-execução, que poderia ir para dentro e fora de si. Como resultado, a maioria das pessoas pense que o robô de genética, genes que controlam suas vidas. A minha pesquisa, entretanto, marca o início de uma visão radicalmente nova da ciência celular. A nova biologia revela que devemos “verificar” o nosso genoma, em vez de controlar. É hoje reconhecido que o meio ambiente, especificamente as nossas percepções e interpretações do ambiente, controlam diretamente a atividade dos nossos genes. Isso explica por que as pessoas podem curar-se espontaneamente de doenças consideradas incuráveis.

MAB: Então podemos falar de “primazia do espírito sobre a matéria”

BL: Sim, essa nova compreensão da biologia humana não considera o corpo como um mero dispositivo mecânico, mas inclui o papel da mente e do espírito. Essa nova perspectiva é essencial em qualquer processo de cura, porque reconhece que, quando mudamos a nossa percepção ou crença, enviamos mensagens totalmente diferentes para as nossas células, causando sua reprogramação. Essa nova ciência é chamada epigenética. Existe há dezesseis anos, mas agora o público em geral está aprendendo a conhecê-la. Bem, a American Cancer Society constatou que apenas 5% dos casos de câncer tem ligações com a genética, 95% não tem nada a ver com a genética. Recentemente, a American Society publicou uma estatística que diz que 60% dos cânceres podem ser evitados pela mudança de hábitos e dieta. Por isso, hoje dizemos: “Depende do seu estilo de vida, não dos genes.”

MAB: Que papel a evolução tem com tudo isso?

BL: Bem, como se viu, Darwin estava errado. A ciência de hoje ignora as teorias baseadas nas noções darwinianas de luta e competição, embora possa levar anos antes que cheguem aos livros didáticos. Cooperação e comunidade são realmente os princípios básicos da evolução, bem como em biologia celular. O corpo humano representa o esforço cooperativo de uma comunidade de cinqüenta bilhões de células. A comunidade, por definição, é uma organização de indivíduos empenhados em apoiar uma visão comum.

Jean-Baptiste Lamarck estava certo já cinqüenta anos antes de Darwin. Em 1809, ele escreveu que os problemas que atormentariam a sociedade viriam do seu distanciamento da natureza, e que isso levaria à dissolução da sociedade. Sua concepção de que a evolução era um organismo e seu ambiente interagem de forma cooperativa. Se você quer entender o destino de um organismo, você tem que compreender a sua relação com o meio ambiente. Ele compreendeu que a nossa separação do ambiente, nos priva da fonte. Ele estava certo. E se você pense na epigenetica, você percebe que hoje a teoria de Lamarck, encontrou fundamentos.. Quando você não conhecia os processos que pudessem provar sua teoria, Lamarck parecia um estúpido, em parte porque o pensamento neo-darwinista afirmava que o corpo está sujeito ao controle genético. No entanto, hoje, os avanços da ciência nos mostram que Lamarck estava certo.

MAB: Como tudo isso afeta o nível celular?

BL: A informação do ambiente é transferida para a célula através da membrana celular. Primeiro nós pensamos que o núcleo da célula era o seu cérebro. Mas em 1985 eu descobri que na verdade o cérebro é a membrana celular. O núcleo, como se vê, é realmente o centro de reprodução. A membrana celular controla as condições ambientais e, em seguida, envia os sinais aos genes, à deflagração de processos que serão utilizados para a sua sobrevivência. No corpo humano, o cérebro envia mensagens para a membrana celular para controlar a genética do comportamento e da atividade da célula. Isto é como a mente através do cérebro, controla a nossa biologia. Por exemplo, uma disciplina importante nas ciências da saúde é psiconeuroimunologia. Literalmente, este termo significa: a mente (psico) controla o cérebro (neuro), que por sua vez controla o sistema imunológico (imunologia). É assim que funciona o efeito placebo!

Quando a mente percebe o ambiente como seguro e amigável, as células se concentram em crescimento. As células devem ser desenvolvidas para que o corpo continue a funcionar de uma forma saudável. Em contraste, sob condições de estresse, as células assumem uma postura de proteção da defesa. Quando isso acontece, os recursos energéticos do corpo, normalmente usado para sustentar o crescimento são desviados para esses sistemas que oferecem proteção. O resultado é um sistema que destacou o crescimento processos são limitadas ou suspensas.

Em casos de estresse agudo (breve) o corpo é capaz de se adaptar, enquanto num estresse prolongado ou crônico é debilitante, porque os desgastes de energia do corpo interferem com a manutenção mínima necessária, e isso leva a doenças e disfunções. Por exemplo, o medo que se espalhou nos Estados Unidos após 11 de setembro teve um efeito devastador sobre a saúde dos cidadãos. Toda vez que o governo lança o alerta para um possível novo ataque terrorista, o medo faz com que os hormônios do estresse inibam nossa biologia e preparam uma resposta orgânica de defesa.

Depois do ataque ao World Trade Center, a saúde do país caiu para o pico mais baixo e os lucros das empresas farmacêuticas subiram rapidamente (aumento de 100% em menos de cinco anos). Em um estado de medo, os hormônios do estresse alteram o fluxo de sangue no cérebro. Em situações normais, o fluxo sanguíneo para o cérebro, concentra-se principalmente na parte anterior do cérebro, a sede do controle consciente. Sob condições de estresse, as veias do prosencéfalo encolhem, forçando o sangue de cabeça para o rombencéfalo, o centro dos reflexos inconscientes. Em resumo: Quando temos medo, nos tornamos mais reativos e menos inteligentes.

MAB: Em seu seminário, você falou sobre como nós recebemos a informação de estresse. Você poderia explicar isso?

BL: Absolutamente. A fonte principal do sinal de estresse é a voz central do sistema, a mente. A mente é como o condutor de um veículo. Se nós somos bons a gerir o nosso comportamento e nossas emoções, podemos esperar uma vida longa e produtiva. Em contraste, os comportamentos improdutivos e má gestão das emoções são como um motorista desastrado estressando o veículo celular, interferindo com o seu funcionamento e causando um colapso. A informação do estresse chega para a célula pelas duas mentes distintas que formam a voz central que controla o corpo.

A mente consciente é o “eu” pensante, a mente criativa que expresse o livre arbítrio. É o equivalente a um processador de 40 bits, porque ele pode lidar com formações de cerca de 40 nervos por segundo. Em contrapartida, a mente inconsciente é um supercomputador equipado com um banco de dados de comportamentos pré-programados. É um poderoso processador de 40 milhões de bits, que interpreta e responde a mais de 40 milhões de impulsos nervosos por segundo. Alguns programas derivam da engenharia genética: são os nossos instintos. No entanto, a maioria dos programas subconscientes se desenvolvem através das nossas experiências de aprendizagem. A mente inconsciente é a sede do raciocínio ou consciência criativa, é um mecanismo de acionamento de reação aos estímulos que trabalha em playback. Quando do ambiente é percebido como um determinado sinal, a mente inconsciente ativar um reflexo pré-estabelecido. Não é preciso pensar! O aspecto perigoso do piloto automático está nos comportamentos inconscientes que são programados sem qualquer controle ou observação da mente consciente.

Os neurocientistas descobriram que 95% – 99% do nosso comportamento estão sob o controle da mente inconsciente. Conseqüentemente, é raro vemos esses comportamentos, e ainda mais difícil é termos consciência deles. Sua mente consciente percebe que você é um bom piloto, mas é inconsciente na maior parte do tempo em que mantém as mãos no volante. E o inconsciente pode levá-lo à ruína. Fomos educados para acreditar que com a força de vontade podemos cancelar os programas negativos do nosso inconsciente. Infelizmente, para conseguirmos isso, é preciso manter vigilância constante sobre nosso comportamento.

Não existe algum mecanismo que analisa os comportamentos inconscientes “pré-gravados”. O inconsciente é um mecanismo que atua apenas na “reprodução dos programas.” Por conseguinte, não há distinção entre bons e maus comportamentos inconscientes: são todos considerados “registros”. Uma vez que sua consciência está ausente, a mente inconsciente automaticamente coloca em ação seus programas pré-gravados, com base na experiência anterior.

MAB: Como adquirimos os nossos programas do subconsciente?

BL: O cérebro pré-natal e neonatal atua principalmente nas freqüências delta, theta e EEG durante os seis primeiros anos de nossas vidas. Este modesto nível de atividade cerebral é definido como o estado hipnagógico. Enquanto a criança esta nesse transe hipnótico, não são diretamente ensinados comportamentos específicos. A criança adquire o seu programa de comportamento simplesmente observando os pais, irmãos, colegas e professores. Além disso, o inconsciente de uma criança faz “download” do ambiente também de crenças sobre si mesmo. Quando um pai ou professor diz a uma criança pequena que está doente, que é estúpido, que é bom ou que não vale nada, essa informação é “registrada” como um dado de fato no inconsciente dessa criança. Estas crenças adquiridas constituem a voz central da comunidade que controla o destino do corpo celular.

MAB: Então chegamos à questão crucial: como é possível reprogramar o inconsciente?

BL: Existem muitas maneiras de agir sobre a mente inconsciente. Primeiro, podemos nos tornar mais conscientes de nós mesmos e não dependendo dos programas subconscientes automatizados. Quando temos consciência, tornamo-nos donos do nosso destino, em vez de vítimas da nossa programação. Esse caminho é similar ao estado da presença de budistas. Segundo: a hipnoterapia clínica aborda diretamente os problemas no estado hipnagógico. Além disso, podemos usar muitas técnicas novas que a energia psico-energeticas que conduzem a uma rápida e profunda reprogramação de crenças limitadoras subconscientes. Estas são formas de super aprendizagem que abrem e integram os dois hemisférios do cérebro ao mesmo tempo, permitindo-nos a reescrever programas nosso subconsciente. Usando estes processos, que do ponto de vista mecânico são semelhantes para apertar o botão gravar no gravador do inconsciente, podemos libertar-nos de percepções limitantes, crenças e comportamentos de auto-sabotagem.

Dentre as técnicas de trabalho de energia psíquica, há Psych-K, Holographic Repadronização, EFT (Emotional Freedom Techniques, Técnicas de liberação emocional), EMDR (dês-sensibilização do movimento de olho e reprocessamento através dos movimentos oculares) e Body Talk (Falando com o corpo).

Entrevista feita por Butler Ann Meryl  proveniente do site:

www.scienzaeconoscenza.it

 

Nascemos da necessidade da integração entre o corpo, mente e emoção, através das diversas terapias holísticas existentes.